Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de 2007

XI COLÓQUIO CONESUL DE FILOSOFIA DAS CIÊNCIAS FORMAIS

XI COLÓQUIO CONESUL DE FILOSOFIA DAS CIÊNCIAS FORMAIS
NEGAÇÃO

ITAIMBÉ PALACE HOTEL
14.11.2007 a 18.11.2007

Quarta-feira, 14.11.2007:

20:00 – 20:30 Cerimônia de abertura
20:30 – 22:00 Conferência de abertura:
Jairo José da Silva (UNESP): O conflito entre as demonstrações reais da matemática e suas versões formais

Quinta-feira, 15.11.2007

09:30 – 10:20 Rogério Corrêa (UFG): A negação como operação formal
10:20 - 11:10 Alexandre Noronha (UFBA): Negação e proposições da Lógica no Tractatus de Wittgenstein
11:10 – 12:00 André Porto (UFG): Domínios, a regra da eliminação da indução e possibilidade em princípio

15:00 – 15:50 Guido Imaguire (UFC): A intensionalidade oculta das estruturas extensionais
15:50 - 16:40 Dirk Greimann (UFSM): A negação fregeana do número 2 (segunda parte)
As duas palestras acima terão, como debatedor, Jaime Rebello (UFRGS)
16:40 - 17:00 Coffee-break
17:00 - 17:50 Luiz Carlos Pereira (PUC-Rio): Negação no último Wittgenstein
17:50 – 18:40 Abel Lassalle Casanave (UFSM): Negação c…

Peter Hylton: sobre funções e operações no Tractatus

No artigo “Functions, operations, and sense in Wittgenstein’s Tractatus”, Peter Hylton analisa as principais passagens do Tractactus Logico-Philosophicus que apresentam as teses sobre a noção de operação. A noção de operação, segundo Hylton, desempenha um papel fundamental. Uma vez que todo trabalho representativo é atribuído às proposições elementares e como também temos proposições não-elementares constituídas a parir das elementares, então devemos explicar como é possível construir proposições não-elementares a partir de elementares sem que a função representativa tenha que ser redefinida em relação às proposições não-elementares. Para tanto, a noção de operação é fundamental. Isso, no entanto, encontra um problema interpretativo importante.
O problema interpretativo origina-se, segundo Hylton, na insistência de Wittgenstein em diferenciar operações de funções. Aqui, os interlocutores de Wittgenstein seriam Russell e Frege. Se isso é verdade, então a concepção de função do Tractatus

Peter Hylton sobre funções proposicionais

Segundo Hylton, há uma diferença técnica entre Russell e Frege em relação ao tratamento das funções. Para Frege as funções seriam admitidas como primitivas enquanto para Russell não, pois ele assume funções proposicionais como primitivas e define funções não proposicionais a partir das proposicionais. Esta diferença técnica revela, no entanto, uma diferença filosófica importante entre Russell e Frege. Se tenho uma função primitiva, então tenho uma expressão denotativa complexa que se refere a objetos. Se tenho, porém, uma função proposicional, o seu resultado é uma proposição. A diferença entre os dois casos, de acordo com Hylton, é que a expressão denotativa complexa tem uma complexidade semântica que não é refletida nos objetos, enquanto uma função proposicional tanto quanto uma proposição são entidades complexas estruturadas. Se aplico a função proposicional ‘x é calvo’ a ‘Sócrates’, o valor é a proposição ‘Sócrates é calvo’ que contém o objeto ‘Sócrates’ e tem a mesma estrutura d…

II Colóquio Sobre Semântica e Filosofia da Lógica

II Colóquio sobre Semântica e Filosofia da Lógica
Address Hotel Résidence, Goiânia (GO), 24 a 28 de Setembro de 2007

Comitê Organizador
André da Silva Porto (UFG)
Araceli Velloso (UFG)
Rogério Saucedo (UFG)

Comitê Científico
André da Silva Porto (UFG)
Luiz Carlos Pereira (PUC – RJ)
João Vergílio Cuter (USP)
Paulo Faria (UFRGS)

Patrocínio

CAPES
CNPq
Pós-graduação em Filosofia , UFG
Realização

Coordenadoria de Pós-Graduação em Filosofia – UFG
Departamento de Filosofia – UFG

Programação
Dia 24/09/2006 – Sala West – Auditório do Address Hotel Résidence
Horário: 20:00h
Abertura


Dia 25/08/2006 – Sala West – Auditório do Address Hotel Résidence
Horário: 10:00h
Palestra de abertura do colóquio
Profº Dr. Paulo Faria (UFRGS): Memória e comensurabilidade
12:00h
Almoço
Horário: 14:30h
Profº Dr. João Vergílio Cuter (USP): Interpretação e objetividade
15:30h
Coffe Break
Horário: 16:00h
Profº Dr. Alexandre machado (UFBA): Deflacionismo e Realismo




Dia 26/09/2006 – Sala West – Auditório do Address Hotel Résidence
Horário: 10:00h
Profº…

Undestanding Wittgenstein's Tractatus

Comecei a leitura do livro do Frascolla sobre o Tractatus. Trata-se de uma edição inglesa (2007) da edição italiana (2000). Segundo Frascolla, a diferença básica entre as duas edições diz respeito a ontologia do Tractatus, pois na edição inglesa ele defende que os "... objects are to be identified with repeatable phenomenal qualities (...), and states of affairs are to be identified with the phenomenal complexes belonging to the various sense realms ..."(Prefácio da Edição inglesa). Vejamos como essa tese será sustentada e quais as repercursões para o edifício tractariano.

FRASCOLLA, Pasquale. Undestanding Wittgenstein's Tractatus. London: Routledge, 2007.
ISBN 978-0-415-32791-6

Livro do Alexandre

Saiu o livro do Alexandre pela editora da Unisinos. Recomendo a leitura para todos os interessados, pois é excelente.

Livro de Rosalind Carey

Este é um dos poucos livros dedicados exclusivamente a analisar a discussão entre Wittgenstein e Russell a respeito da teoria do juizo como relação múltipla. Para os interessados vale a pena conferir.

CAREY, Rosalind. Russell and Wittgenstein on the nature of judgement. London: Continuum International Publishing Group, 2007.
ISBN-10: HB: 0-8264-8811-0
ISBN-13: 978-0-8264-8811-4